Anúncios Google
31/05/17 Quarta-feira
Faep  
Mamboreense participa de viagem técnica em 3 países europeus

Ricieri Zanatta

Ricieri Zanatta Neto participou de uma viagem técnica organizada pela Federação da Agricultura do Estado do Paraná - Faep, de 13 a 28 de maio. Durante duas semanas, os 35 brasileiros, entre produtores, presidentes e delegados de sindicatos rurais, técnicos do Sistema Faep/Senar-PR visitaram a Alemanha, Áustria e Itália. Ricieri representou o Sindicato Rural de Mamborê.

"As visitas foram muito produtivas. É essencial se preparar para substituir as fontes fósseis por matérias-primas renováveis na produção de energia. Adquirimos conhecimento sobre este importante tema e mais grupos devem participar para ver a realidade da produção na Europa", disse o mamboreense ao boletim da Faep.

Os brasileiros visitaram, na Alemanha: Universidade de Munique, Fachverband Biogás, Centro de Excelência de Recursos Energéticos Renováveis de Straubing e Parque Solar Gänsdorf – KRINNER; na Áustria: Energy Academy, Organização Rohkraft, Universidade de Boku, EVM - Energie Versorgung Margarethen e Energy Park Bruck; e na Itália: Fazenda La Bellotta, CPL – Concordia, Cooperativa Intercomunale Lavoratori Agricoli (C.I.L.A) e Instalação de Biomassa Genera SpA – Em Narni.

O jeito alemão de usar energia renovável

Tanto quanto às indústrias automobilísticas e de tecnologia, o setor de energia renovável da Alemanha tem sido motivo de reconhecimento mundial. Desde 2000, quando o governo definiu uma legislação específica que viabiliza, inclusive financeiramente por meio de subsídios, o desenvolvimento de pesquisas e sistemas na área de recursos alternativos, o país registra avanços significativos, a ponto de exportar projetos para nações como França, Japão, Canadá e Chile, entre outras.

Este universo alemão de energia renovável foi explorado pela delegação do Sistema FAEP/SENAR-PR durante viagem técnica pela Europa, que ainda incluiu Áustria e Itália. Os 35 integrantes, entre produtores, presidentes e delegados de sindicatos rurais, técnicos do Sistema FAEP/SENAR-PR e de empresas parceiras, tiveram a oportunidade de conhecer, em detalhes, diversos modelos do setor energético.


 

  Metas ambiciosa alavanca fontes alternativas na Áustria

Diante da realidade mundial de dependência extrema do petróleo como fonte de energia, a Áustria aparece como um ponto fora da curva. O país europeu projeta alcançar 95% da matriz energética por meio de fontes alternativas até 2030, segundo a Energy Academy, agência estatal responsável pelo setor. Atualmente, 35% da produção de energia na Áustria têm suprimento em formas renováveis, sendo 16% de biomassa, 14% de aproveitamento hídrico e 5% de solar.

Essa informação abriu o roteiro da viagem técnica pela Áustria organizada pelo Sistema FAEP/SENAR-PR. Após dias analisando sistemas na Alemanha, os 35 integrantes, entre produtores, presidentes e delegados de sindicatos rurais, técnicos da entidade e de empresas parceiras percorreram o país que é líder na Europa neste segmento para conhecer projetos que permitam atingir a meta dentro do prazo estipulado.

O desafio austríaco é enorme. Porém, pelos exemplos que a delegação do Paraná conheceu, não impossível. “Estamos trabalhando para promover o desenvolvimento do mercado. As ações se concentram no crescimento econômico por meio do desenvolvimento de tecnologias e não pelo aumento do consumo energético das cidades”, destaca Martin Schwarzimüller, da Energy Academy. Anualmente, 530 milhões de euros são investidos pelas indústrias de biomassa, gerando mais de 4,5 mil empregos no setor.


Subsídio cria rastro de bioenergia na Itália

Nas últimas duas décadas, os subsídios fornecidos pelo poder público criaram um rastro de investimentos em energia renovável na Itália. De Norte a Sul do país que fez parte da última etapa da viagem técnica organizada pelo Sistema FAEP/SENAR-PR, propriedades rurais apostam na construção de usinas de biogás e outras formas de bioenergia para viabilizar o negócio. E, inclusive, segurar os herdeiros no campo, problema também enfrentado no Brasil.

Uma linha de financiamento específica para produtores de até 30 anos disponibiliza 50 mil euros, dependendo do projeto, a fundo perdido.

O subsídio estatal, literalmente, evitou que a Fazenda La Bellotta, em Turim, fechasse as portas. Após trabalhar no vermelho entre 1998 e 2010, em função da doença Vaca Louca que atingiu em cheio a pecuária europeia, a propriedade de 400 hectares investiu 5 milhões de euros na construção de uma usina de biogás, com capacidade para dois megawatts – atualmente produz metade – e duas plantas fotovoltaicas.
A matéria completa está nos boletins informativos da Faep, números 1388 e 1389

Álbum com mais fotos