Igreja do Evangelho Quadrangular - Uma Igreja com Propósitos - Ministério: Pastor Everson
Rua Giacomo A. Ciconello, 494, Mamborê-PR | Celular (44) 9958-0691 | E-mail: pastoreversonclei@hotmail.com



Domingo: Escola Bíblica - 9h | Louvor e Adoração - 19h30
Terça-feira: Oração e Ensino - 20h
Quinta-feira: Libertação e Cura - 20h
 

 

 

Derrubando a fortaleza da preocupação

Por isso vos digo: Não andeis cuidadosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber; nem quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o mantimento, e o corpo mais do que o vestuário?
Olhai para as aves do céu, que nem semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta. Não tendes vós muito mais valor do que elas?
E qual de vós poderá, com todos os seus cuidados, acrescentar um côvado à sua estatura?
E, quanto ao vestuário, por que andais solícitos? Olhai para os lírios do campo, como eles crescem; não trabalham nem fiam;
E eu vos digo que nem mesmo Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles.
Pois, se Deus assim veste a erva do campo, que hoje existe, e amanhã é lançada no forno, não vos vestirá muito mais a vós, homens de pouca fé?
Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos, ou que beberemos, ou com que nos vestiremos?
Porque todas estas coisas os gentios procuram. Decerto vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas estas coisas;
Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.
Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.

Mateus 6:25-34

Um dos ataques mais ferrenhos do inimigo é contra a nossa mente pelo caminho da preocupação. Situações reais e imaginárias golpeiam nossos pensamentos continuamente, enquanto a pressão e o estresse nos sobrevêm de todos os lados, tentando desencorajar-nos e derrotar-nos.
No texto em estudo, Jesus ordena que abandonemos as preocupações. Ele insiste em que lembremos de que o Pai é fiel em suprir todas as nossas necessidades. Jesus garante que Deus sabe de que precisamos, antes mesmo

  que lhe peçamos. Portanto, não há motivo para preocupação.
Jesus explica também que existe um propósito mais elevado, o qual devemos buscar, em vez de apenas desejar ver as nossas necessidades satisfeitas. Assim, atrairemos bênçãos sobre a nossa vida e veremos soluções para os problemas. Isso se dá pela intervenção sobrenatural de Deus a nosso favor. Se agirmos assim, diz Jesus, as nossas necessidades se tornam CUIDADO DE DEUS, e todas essas coisas (aquilo que precisamos) (nos) serão acrescentadas.
Quando desejamos que, por intermédio de Cristo, a justiça de Deus reflita em nossas palavras e atitudes; do nos dedicamos a fazer a vontade do Senhor em vez da nossa; quando a nossa vontade é cumprir o plano divino em vez de satisfazer os nossos desejos; quando o nosso principal objetivo é buscar o Reino de Deus, então as preocupações deixam de prender-nos e controlar-nos. Assim, o Senhor tem liberdade para agir e suprir todas as nossas necessidades.
Enquanto tentamos resistir à preocupação no campo de batalha de nossa mente, o inimigo trabalha para nos fazer retornar ao antigo hábito de olhar para as circunstâncias. Por isso, temos de tomar uma decisão. É preciso determinar se iremos resistir no poder de Deus e em nome de Jesus, deixando que o Espírito Santo permeie os nossos pensamentos, ou se iremos recusar-nos a guerrear no Espírito, permitindo que a preocupação ocupe a nossa mente para sempre.
Deus nos dá a liberdade de escolher. E Ele também nos dá poder para resistir. Jesus já supriu todas as nossas necessidades na cruz do Calvário. Cabe a nós agora deixar o Espírito Santo livre para retirar as nossas preocupações e substituí-las com a presença de Deus e a plenitude da vida em seu Reino.
Confia no Senhor de todo o seu coração.

Que Deus te abençoe poderosamente em nome de Jesus.

Um abraço.

Pastor Everson

19/05/2014

 

 

 

Como exercer o meu chamado?

Juízes 6:11-24; 36-40

Podemos notar que vários servos de Deus estavam trabalhando quando foram chamados por Deus. Ex.: Abrão deixou sua terra; Moisés quando viu a sarça ardendo; Eliseu estava lavrando com 12 juntas de bois; Jeremias era um moço; André e Simão estavam pescando e Levi trabalhando na coletoria ... e Gideão estava malhando o trigo escondido com medo dos ladrões de colheita.
Todos estes homens escolhidos por Deus como Gideão foram usados por Deus com as ferramentas que tinham em mãos.

Milagres aconteceram com o bordão de Moisés, a funda de Davi, os cinco pães e peixes. Deus nos chama e dá as ferramentas para servir!Quando Deus nos chama, Ele nos dá condições para exercer o chamado que tem para nossas vidas.

Quais são as ferramentas de Deus?

Vamos refletir quais são as ferramentas que Deus nos dá para servir:

CORAGEM

Gideão se achava pequeno e pensava que estava sozinho, mas quando soube que o Senhor estaria com ele,se encheu de coragem e destruiu o Altar de Baal.

Sem coragem não teria condições de fazer nada, mas estaria ainda escondido no lagar com medo de seus inimigos.

A primeira coisa que aconteceu com os discípulos quando foram cheios do Espírito Santo, foi que ficaram cheios de ousadia (Atos 4:29). Deus não tem medo de nada, então quando estamos cheios da Sua presença, ficamos fortes e corajosos.
Você tem tido coragem para enfrentar os desafios na obra de Deus?

Seja corajoso por que Deus está contigo!
     

FORÇA

O Senhor falou com Gideão “vai nesta tua força, homem valente”. Aparentemente ele era fraco e medroso, mas Deus lhe chamou de forte e valente.

Isso é maravilhoso, por que mostra que Deus não nos vê como nos vemos ou como os outros nos veem.
Deus nos dá força para enfrentar tudo e comprova o nosso chamado quando precisamos!

'Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não pasmes, nem te espantes: porque o Senhor, teu Deus, é contigo, por onde quer que andares' (Josué 1:9).

Você tem se achado forte ou fraco para fazer a vontade de Deus?

Deus não te chama de fraco e sim de forte e valente!

 

SINAIS

Gideão ofertou ao Senhor um sacrifício e desceu fogo do céu para consumir sua oferta. Isso mostra que Deus aceita nossa oferta de coração (v. 21).

Os sinais de Deus são manifestos na vida de um servo de Deus. O Senhor mostra suas maravilhas livrando, protegendo e fazendo proezas.

A lã encharcada representa o cristão abençoado, que tem vida abundante, (João 10:10). A lã seca é o cristão que não recebe ou seja não absorve a bênção.

Como você está? Seco ou encharcado de bênçãos?

Deus quer mostrar sinais na sua vida e te encher de bênçãos!

Vai nesta tua força!

 

Você foi chamado por Deus para algo especial?Somos chamados e escolhidos por Deus, isso Ele faz porque nos ama e quer que façamos parte de Sua Obra na face da terra.

Deus nos dá força e coragem para fazer a obra quando precisamos, aceita nossa oferta de amor e nos dá sinais de sua presença conosco.

Tenha coragem de agir, seja forte e nunca pense que é ninguém. O Senhor receberá sua oferta e te mostrará sinais de seu amor para com sua vida.

Deus te abençoe poderosamente em nome de Jesus.

Um abraço.

Pastor Everson

05/04/2014

 

 

 

Os sinais da volta de Jesus!!!

Mateus 24:1-14

1º SINAL - ENGANAÇÃO SEM PRECEDENTES

"E, estando assentado no monte das Oliveiras, chegaram-se a ele os seus discípulos, em particular, dizendo: Dize-nos quando serão essas coisas, e que sinal haverá da tua vinda e do fim do mundo? E Jesus, respondendo, disse-lhes: Acautelai-vos, que ninguém vos engane; Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos."

Nesta passagem, o Senhor Jesus responde os seus discípulos mencionando não somente um sinal, como eles pediram, mas lista uma série de sinais que antecederia a sua vinda, e o primeiro sinal é o da enganação sem precedentes.

Uns seguem a Buda, outros a Maomé, outros a Ghandi, outros a Karl Max, outros a tantos que não levam o homem a Deus. Mas somente aqueles que cumprem os mandamentos de Jesus Cristo, nunca serão enganados. Pois Jesus é o Senhor.

2º SINAL - GUERRAS E RUMORES DE GUERRAS

É interessante observar, que guerras sempre existiram na história da humanidade, mas, que no último século, morreram, mas pessoas nas guerras (direta e indiretamente), que nos 1900 anos anteriores. Não obstante, com o advento da globalização e com a evolução da mídia, os conflitos regionais passaram a ter visibilidade mundial, e com isso, passou a cumprir-se de forma efetiva o 2º sinal da volta de Cristo, qual seja a rápida dispersação das informações sobre as guerras, e também os boatos sobre as possíveis guerras.

Notemos que Jesus fala sobre o conflito entre nações e entre reinos, o qual nos leva a concluir que nações representam os diferentes povos e os reinos são os governantes destes povos. Temos observado com uma frequência assustadora e cada vez maior estes conflitos preditos pelo Mestre, sejam povos, como indianos e paquistaneses ou israelenses e árabes, sejam governos, como os dos Estados Unidos e China.

3º SINAL - FOME INTENSA EM VÁRIOS LUGARES DO MUNDO

Estes sinais estão relacionados, pois guerras trazem consigo crises financeiras, e estas a fome. Podemos presenciar a situação crítica em que milhares de pessoas no mundo não possuem sequer o básico para alimentar-se, seja no Brasil (desigualdades sociais), seja na África (guerras e secas), na Ásia (chuvas).

4º SINAL – EPIDEMIAS (PESTES) GLOBAIS

É incrível como nas últimas décadas, e particularmente nos últimos anos, tem ocorrido o aparecimento de tantas doenças anteriormente não conhecidas e com o poder de propagação a nível mundial. Podemos listar, a aids, o ebola, a gripe do frango, a gripe suína, a gripe espanhola, a dengue entre tantas outras doenças que surgem em uma determinada região do planeta e logo se alastram, sem fronteiras, causando pânico em toda a população mundial.

5º SINAL - TERREMOTOS EM VÁRIOS LUGARES

A ocorrência de terremotos têm aumentado de forma impressionante. Segundo especialistas, no século XX aconteceram mais terremotos que em toda a história humana conhecida, e na última década, aconteceram mais terremotos que em todo o século XX. No discurso acima, o Senhor Jesus menciona mais um sinal, qual seria a ocorrência de terremotos em vários lugares do mundo, e diz ainda que estes sinais serão apenas o princípio das dores.
No caso dos terremotos, podemos mencionar a incidência de forma global: México, Argentina, Chile, Estados Unidos, Japão, Irã, Paquistão, Espanha, Nova Zelândia, Haiti, entre tantos outros países, que foram abalados recentemente por terremotos.

6º SINAL - COISAS ESPANTOSAS E GRANDES SINAIS NO SISTEMA SOLAR

Lc 21:11 - "E haverá em vários lugares grandes terremotos, e fomes e pestilências; haverá também coisas espantosas, e grandes sinais do céu."

Lc 21:25-26 - "E haverá sinais no sol e na lua e nas estrelas; e na terra angústia das nações, em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas; homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo. Porquanto as virtudes do céu serão abaladas."

Vejamos alguns dos grandes sinais na atmosfera, no sol, na lua e no espaço sideral que estão acontecendo agora mesmo:
1- O terremoto que atingiu o Japão em 2011, alterou o eixo de rotação da terra;
2 - Os ufologistas não se cansam de propagar as aparições dos objetos voadores não identificados;
3 - A terra têm sido inundada com o fenômenos;
4 - A lua está com a sua posição em relação à terra alterada;
5 - Repetidas vezes a mídia têm divulgado a presença de asteroides com rota provável de colisão com terra;
6 - A ocorrência de riscos à humanidade por conta das "chuvas de meteoritos";
7 - O sol está apresentando grandes instabilidades, emitindo assim tempestades de calor em direção ao espaço;

7º SINAL - GRANDES INSTABILIDADES NA NATUREZA E NO COMPORTAMENTO HUMANO

Lc 21:25-26 - "E haverá sinais no sol e na lua e nas estrelas; e na terra angústia das nações, em perplexidade pelo bramido do mar e das ondas; homens desmaiando de terror, na expectação das coisas que sobrevirão ao mundo. Porquanto as virtudes do céu serão abaladas."
Enquanto no sistema solar, o sol, a lua e as estrelas nos mostram os sinais de instabilidade, na Terra também vemos o 7º sinal predito por Jesus, qual seja o desequilíbrio da natureza e o comportamento desesperador da humanidade, na angústia em saber e sentir a desarmonia do cosmos.

Os tsunamis são eventos caracterizados por enormes ondas do mar que, por causa da ocorrência de um terremoto submarino passam a ser criadas e direcionadas ao continente. São fenômenos a muito conhecido, principalmente pelos orientais, mas, o que caracteriza este acontecimento como um dos sinais que indicam a iminente volta de Jesus, é o aumento da sua frequência, conforme temos visto atualmente.

8º SINAL - O RENASCIMENTO DA FIGUEIRA (ISRAEL) OCUPANDO LUGAR CENTRAL NO MUNDO

Mt 24:32-34 - "Aprendei pois a parábola da figueira: Quando já os seus ramos se tornam tenros e brotam folhas, sabeis que está próximo o verão. Igualmente, quando virdes todas estas coisas, sabei que ele está próximo às portas. Em verdade vos digo que não passará esta geração sem que todas estas coisas aconteçam."Estado de Israel formado em 1948.

9º SINAL - FALSOS PROFETAS

Mt 24:5 - "Porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos."
Mt 24:23 - "Então, se alguém vos disser: Eis que o Cristo está aqui, ou ali, não lhes deis crédito;"

10º SINAL - APOSTASIA - (ESCÂNDALOS, TRAIÇÕES, FALSOS PROFETAS E O ESFRIAMENTO DO AMOR POR CRISTO E PELO PRÓXIMO)

Mt 24:10-13 - "Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se aborrecerão. E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará. Mas, aquele que perseverar até ao fim será salvo."
II Tess 2:3 - "Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição."

Paulo já falava sobre isso a Timóteo, em I Tm 4:1 - "Mas, o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrina de demônios.".

11º SINAL - PERSEGUIÇÃO MUNDIAL AOS VERDADEIROS CRISTÃOS

Mt 24:9 - "Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as gentes por causa do meu nome."

12º SINAL - A PREGAÇÃO DO EVANGELHO EM TODO O MUNDO

Mt 24:14 - "E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as gentes, e então virá o fim."

 

Jesus deixou bem claro que Ele somente voltaria quando o evangelho fosse anunciado em todo o mundo. Este sinal está se cumprindo em nosso dias. Com o advento da internet, qualquer pessoa no planeta poderá conhecer a Cristo.

Mesmo na grande tribulação, o evangelho será anunciado, pois o martírio e a perseguição aos cristãos será notícia em todo o mundo, sendo que todas as pessoas saberão que os cristãos estarão sofrendo perseguições e mortes por amor ao nome de Jesus Cristo.

13º SINAL - SERÁ COMO NOS DIAS DE NOÉ

Mt 24:37-39: “E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos – assim será também a vinda do Filho do homem.”
Quando observamos o padrão moral da sociedade atual, somos forçados a comparar a nossa geração com aquela dos dias de Noé. Inclusive, ao mencionar os sinais que indicariam a proximidade da sua vinda, o Senhor Jesus nos disse que a geração que veria a sua volta seria bem parecida com a dos dias de Noé.

14º SINAL - GRANDES SINAIS NO CÉU

Lc 21:11: “E haverá em vários lugares grandes terremotos, e fomes e pestilência; haverá também coisas espantosas, e grandes sinais do céu.”
Jesus afirma que antes da sua vinda aconteceriam grandes sinais nos céus e coisas espantosas. Mas, que acontecimentos seriam esses? Creio que os grandes sinais nos céus sejam aqueles preditos pelos profetas e pelo próprio Senhor, quanto ao sol, à lua e às estrelas (meteoros):

Mt 24;29: “E, logo depois da aflição daqueles dias, o sol escurecerá, e a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu, e as potências dos céus serão abaladas.”
Hoje, qualquer pessoa que acompanha as notícias sabe que o sol está passando por turbulências e tem apresentado manchas. Quanto aos meteoros, todo dia, centenas deles atingem a atmosfera da terra e são destruídos, mas estudos apontam que existe uma probabilidade de um grande meteoro atingir a terra no curto prazo. Vejamos estas passagens bíblicas:

15º SINAL - COISAS ESPANTOSAS NO CÉU

Lc 21:11: “E haverá em vários lugares grandes terremotos, e fomes e grandes pestilências; haverá também coisas espantosas, e grandes sinais do céu.”
Você já parou para pensar que os sinais preditos por Cristo como indicativos da sua volta passaram a se intensificar a partir do renascimento de Israel? Sim, é verdade, e um destes sinais, é o aparecimento nos céus em vários locais do mundo, dos chamados OVNIS (objetos voadores não identificados), conhecidos popularmente como discos voadores.
Estes aparecimentos de OVNIS têm se intensificado nos últimos anos, sendo que boa parte da população mundial espera que os governos venham a público afirmar que não estamos sós no universo.
E, conforme afirmou o Senhor Jesus, estes aparecimentos têm causado espanto nos céus, ao ponto de muitos que se diziam cristãos, terem abandonado a fé, tornando-se adeptos da ufologia.
Mas, que ninguém nos engane, pois sabemos que estes aparecimentos são armadilhas do nosso inimigo com o objetivo de causar pânico e fazer com que milhões de pessoas neguem o sacrifício de Jesus na cruz, conforme diz o Apóstolo Paulo em II Tess 2:9-11;
A esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais e prodígios de mentira, e com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem. E por isso Deus lhes enviará a operação do erro, para que creiam a mentira;”
Os Ovnis serão muito úteis para o Anticristo, pois o mesmo usará a desculpa de que a humanidade precisa se unir para poder resistir aos ataques extraterrestres, e assim conseguirá implementar A SUA DITADURA MUNDIAL E A PERSEGUIÇÃO AOS CRISTÃOS.

16º SINAL - AS ADULTERAÇÕES NO LIVRO SAGRADO

Ap 22:19: “E, se alguém tirar quaisquer palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte na árvore da vida, e da cidade santa, que estão escritos neste livro.”
I Jo 2:22: “Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? É o anticristo esse mesmo que nega o Pai e o Filho.”
Outro sinal que indica que a atual geração será aquela descrita na bíblia como a que verá o retorno de Cristo, é a ocorrência de sutis alterações que nas traduções da Bíblia Sagrada.
O apóstolo João afirma que a principal característica do anticristo é que ele vai negar a divindade do Senhor Jesus. Mas, como fazer os crentes se desviarem dos ensinamentos de Cristo sem que eles notem? A resposta é justamente esta: alterar o que está escrito na Bíblia, mas de maneira sutil.
As principais deturpações desta tradução são:
1 – No lugar de “Senhor Jesus”, eles escreveram “Jesus” – ataque ao senhorio de Cristo;
2 – No lugar de “Jesus Cristo”, eles deixaram somente “Jesus” – ataque à divindade de Cristo;
3 – No lugar de “homens”, eles escreveram pessoas;
4 – No lugar de “sodomitas”, eles escreveram “escandalosos”, para descaracterizar o homossexualismo;
5 – E muitas outras.
Este é mais um sinal de que a volta de Jesus se aproxima. Em muitas igrejas, pessoas sinceras já estão levando debaixo do braço outra bíblia, que não é a verdadeira.

17º SINAL – A MULTIPLICAÇÃO DA CIÊNCIA

Dn 12:4: “E tu Daniel, fecha estas palavras e sela este livro, até ao fim do tempo: muitos correrão de uma parte para outra, e a ciência se multiplicará.
Mais um sinal que evidencia que a atual geração verá a volta do Senhor Jesus, é a multiplicação da ciência. Há mais ou menos um século, tínhamos no mundo um cenário totalmente diferente do que temos hoje.
O homem andava a cavalo, não havia telefone, televisão, nem internet. Sem contar a medicina, que ainda evoluia. A ciência vinha progredindo, mas a pequenos passos, sendo que podemos dizer que ocorria uma progressão aritmética (o conhecimento anterior somava-se ao conhecimento produzido).
Mas, de repente, tudo começou mudar. Apareceram o carro, o telefone, o avião, a internet e a medicina evoluiu. O conhecimento não mais passou a progredir de forma aritmética, mas sim de forma geométrica, com uma subsequente alteração radical do ambiente.
Hoje, o homem gaba-se de grandes coisas e já pensa em colonizar a lua e marte. Mas aqui mesmo na Terra, a fome, as doenças e a desarmonia entre os seres humanos, só aumentam. Tudo isso confirma o que as escrituras já diziam:

18º SINAL – A NEGAÇÃO DA DIVINDADE DE JESUS E OS ATAQUES À SUA PESSOA

Jo 2:22: “Quem é o mentiroso, senão aquele que nega que Jesus é o Cristo? É o anticristo esse mesmo que nega o Pai e o Filho.”
Outra característica que tem ocorrido ultimamente com mais intensidade na nossa geração, é o ataque à divindade de Jesus. Sabemos que o mundo político, social e até mesmo religioso não é obrigado a aceitar a pessoa de Jesus como as escrituras mostram. Essa aceitação é particularmente objeto de reconhecimento pelos discípulos de Jesus, ou seja, aqueles que se declaram cristãos e seguem os ensinamentos do Mestre.
Contudo, o que temos observado, principalmente nos últimos anos, após a expansão das mídias de massa como a televisão e a internet, é um intenso ataque contra a pessoa de Jesus, de forma a tentar ao máximo desacreditar o caráter de Cristo junto às pessoas.
Cada dia aparece algo novo, dos ditos “cientistas” ou “arqueólogos”, com teorias e informações que tentam mostrar Jesus ou como um mito ou como mais um ser humano qualquer que passou por este mundo.
A Bíblia afirma que a salvação do ser humano está ligada intimamente ao ato de crer, e que esse ato depende unicamente do indivíduo. Assim, para os que se salvam, Jesus é o Rei, O Messias, a Luz e a razão da existência. Mas para os que se perdem, apenas um homem comum, pois os olhos destes foram cegados pelo deus deste século, para que a luz de Cristo não resplandeça, e isto é o que tem acontecido com a atual geração.

19º SINAL - O APARECIMENTO DO EVANGELHO DA PROSPERIDADE, DA FACILIDADE, DA FALTA DE COMPROMISSO, DA MENTIRA.
20 SINAL – DERRAMAMENTO DO ESPÍRITO SANTO COM PODER, UNÇÃO, CURAS E MILAGRES.

Jesus está voltando. Esteja preparado para a Sua vinda.

Que Deus te abençoe

Um abraço

Pastor Everson

21/02/2014

 

 

Consequências de não conhecer a vontade de Deus

O principal propósito de Jesus na estrada para Jerusalém não era ministrar aos doentes nem ensinar ao povo, e sim chegar a Cidade Santa e preparar os discípulos, revelando-lhes a vontade de Deus.

Jesus disse: “Ouçam atentamente o que eu vou lhes dizer: O Filho do homem será traído e entregue nas mãos dos homens”. Mas eles não entendiam o que isso significava; era-lhes encoberto, para que não o entendessem. E tinham receio de perguntar-lhe a respeito dessa palavra”. (Lucas 9:44-45).

Essa foi a segunda vez em que Cristo lhes revelou claramente a vontade de Deus. Eles ouviam o que Ele dizia e ainda assim não compreendiam a vontade do Pai. Por que Deus entregaria Jesus nas mãos dos homens para que fosse morto? Contudo, não pediram explicação ao Mestre, porque receavam ser inteirados da verdade.

Depois disso, Jesus e seus discípulos pararam alguns dias em Cafarnaum, então cruzaram a Judéia e atravessaram o rio Jordão.

Jesus não desistiu. Continuou caminhando pela estrada poeirenta até Jerusalém.

Sabendo qual era a vontade de Deus;

Sabendo que era o Filho de Deus;

Sabendo que fora chamado e escolhido;

Sabendo que fora ungido pelo Espírito Santo para destruir as obras do Diabo;

Sabendo que pagaria o preço máximo;

Sabendo que conquistaria a vitória total contra Satanás;

Sabendo que ressuscitaria em poder e glória;

Sabendo que seria exaltado e que receberia o Nome que está acima de todo o nome!

Os discípulos, sem conhecer nem compreender a vontade de Deus e sem saber o que aconteceria em Jerusalém, estavam confusos e temerosos. Era possível perceber o medo em seu semblante. Eles ficavam se perguntando o que realmente ocorreria emJerusalém. Estavam confusos, pensando: “O que Ele quis dizer quando afirmou que seria rejeitado e entregue na mão dos homens? Será que vai mesmo morrer? Será que também seremos presos e mortos?

Daquele ponto da jornada em diante, Jesus estava preparado para confrontar Satanás e obter a vitória definitiva, pois CONHECIA A VONTADE DE DEUS, e isso o fortalecia.

Na estrada para Jerusalém, Jesus tentou preparar os discípulos para o grande confronto que os aguardava, revelando-lhes a vontade do Senhor.

Cristo sabia que Satanás tentaria peneira-los como trigo. Ouviram com a mente humana o que Jesus disse, por isso não discerniram espiritualmente as suas palavras.

Por não conheceram nem compreenderem a vontade de Deus, ficaram confusos e temerosos, despreparados para enfrentar o inimigo. Mais tarde, no calor da

 

batalha, quando Jesus foi entregue nas mãos dos soldados romanos, fugiram, esconderam-se, trancaram a porta de seu esconderijo e dividiram-se.

Como você reage quando enfrenta provações ou quando Satanás tenta peneira-lo como trigo? Quando o Diabo lança doenças sobre seus entes queridos, você corre para o armário de remédios? Passa o tempo se preocupando com a doença? Tem mais fé no médico da família e no conhecimento humano que em Jesus Cristo e no poder sobrenatural de Deus?

Quando brigas e dissensões na família ameaçam causar divisão, você entra em pânico? Quando os seus filhos insistem em rebelar-se contra Deus, usando drogas e bebidas alcóolicas, você se desespera? Passa horas se preocupando, tentando encontrar uma solução para os problemas em seu casamento?

Quando se encontra às voltas com questões financeiras graves, quando não tem dinheiro suficiente para suprir as suas necessidades, quando tem de cobrir despesas inesperadas, consertos caros, como você reage? Sente-se desencorajado? Pensa em não haver solução?

Devemos enfrentar essas circunstâncias conhecendo a vontade de Deus. Temos de aprender a reconhecer a atuação do inimigo.

Jesus enfrentava cada situação firmado no conhecimento da vontade do Pai. Quando leproso veio lhe pedir para ser curado, Cristo não hesitou: “Seja purificado!” (Mateus 8:3). Jesus conhecia a vontade de Deus. Sabia que fora enviado para destruir as obras do Diabo. Ele agia de acordo com a vontade do Pai, por isso o leproso foi curado.

Quando o centurião romano o procurou para falar-lhe a respeito de seu servo adoentado, em terrível sofrimento, o Mestre reagiu imediatamente e disse: Eu irei curá-lo (Mateus 8:7). Jesus conhecia a vontade de Deus e, de acordo com ela, proferia palavras de cura. Ele disse ao centurião: Vá! Como você creu, assim lhe acontecerá! O propósito de Deus se cumpriu. O servo do centurião foi curado naquele mesmo instante!

Quando encontrou uma mulher encurvada por causa de uma enfermidade que já durava dezoito anos, Cristo percebeu de imediato que aquilo era obra do inimigo. Ele tinha certeza que recebera poder e autoridade para destruir os planos de Satanas. Em consonância com a vontade de Deus, Ele disse: Mulher, você está livre da sua doença (Lucas 13:12). Então lhe impôs as mãos, e ela foi curada. A vontade de Deus se cumpriu!

Jesus sabia como reagir diante de qualquer situação, porque conhecia PLENAMENTE a vontade de Deus.

E você conhece a vontade de Deus? Você pode perguntar como conhecer a vontade de Deus? Quero lhe falar se você ler e estudar a Bíblia Sagrada descobrirá qual a vontade de Deus.

Faça deste ano de 2014 o ano para descobrir a vontade de Deus para a sua vida.
Que Deus te abençoe poderosamente.

Um abraço!

Pastor Everson

06/01/2014

 

 

 

O homem foi criado como ministro de Deus na terra

O homem foi criado à imagem de Deus. O propósito do Deus Eterno era que o homem tivesse comunhão com Ele e fosse seu ministro na terra.
Deus criou o homem porque desejava derramar-se em alguém. “Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança”. Gênesis 1:26
O homem tornou-se homem vivente, revestido da perfeição e da justiça de Deus, pois o Espírito, a vida e o poder de Deus foram soprados para o interior do ser humano.

O homem não foi criado para estar em conflito com Deus ou com suas criaturas, e sim, para viver em comunhão completa com o homem, a fim de que este pudesse governar e reinar com Ele na terra como autêntico representante Seu aqui. O homem foi investido de autoridade, domínio amor divinos para ser ministro desde o dia em que foi criado até a eternidade. Estava destinado a ser um rei e sacerdote, um ministro de Deus desde o princípio.

No entanto, por um ato de vontade própria, o homem rompeu sua comunhão com Deus quando lhe desobedeceu, caindo na armadilha mortal de Satanás (Gênesis 3). Ao pecar, o homem conscientemente se rebelou contra Deus e contra o seu plano original. Deus então concebeu um novo plano: “Se pela transgressão de um só a morte reinou por meio dele, muito mais aqueles que recebem de Deus a imensa provisão da graça e a dádiva da justiça reinarão em vida por meio de um único homem, Jesus Cristo. Logo, assim como por meio da desobediência de um só homem muitos foram feitos pecadores, assim também, por meio da obediência de um único homem muitos serão feitos justos” (Romanos 5:17-19).

 

 

O DEUS ETERNO É UM DEUS COM OBJETIVOS, PROPÓSITOS, PLANOS E DESÍGNIOS

Pelo pecado, Adão trouxe a morte ao mundo, mas pela morte e ressurreição do ÚLTIMO ADÃO, Jesus Cristo, o homem teve seu relacionamento e a sua comunhão com Deus restaurados. E agora, por meio de Jesus, pode usufruir das bênçãos a ser seus ministros e sacerdotes. Por meio de Jesus Cristo, recebemos a mesma autoridade e a mesma unção que foram outorgadas ao primeiro homem, e estamos capacitados a enfrentar Satanás e suas forças demoníacas. Temos o poder do primeiro Adão para defender-nos contra as tentações e os ataques de Satanás.

Aqueles que recebem a Jesus como único Senhor e Salvador passa a ser chamado filho de Deus e deve assumir a posição, usando a autoridade delegada por Jesus Cristo para nos tomar seus ministros, resgatando assim o propósito original da criação do homem.

Você poderá nunca ser um ministro de Estado mas, poderá em Jesus ser um ministro de Deus aqui na terra onde você for.

Que Deus te abençoe.

Um abraço.

Pastor Everson

14/11/2013

 

 

 

A Presença de Deus

Agora, pois, se tenho achado graça aos teus olhos, rogo-te que me faças saber o teu caminho, e conhecer-te-ei, para que ache graça aos teus olhos; e considera que esta nação é o teu povo.Disse pois: Irá a minha presença contigo para te fazer descansar.Então lhe disse: Se tu mesmo não fores conosco, não nos faças subir daqui.Como, pois, se saberá agora que tenho achado graça aos teus olhos, eu e o teu povo? Acaso não é por andares tu conosco, de modo a sermos separados, eu e o teu povo, de todos os povos que há sobre a face da terra?Então disse o SENHOR a Moisés: Farei também isto, que tens dito; porquanto achaste graça aos meus olhos, e te conheço por nome.Êxodo 33:13-17

A presença de Deus em nossa vida determina o nosso estilo de vida. Se agirmos com nossas próprias convicções naturais e carnais e nos pautarmos nos valores da sociedade, estaremos distantes do Senhor. Se aceitarmos a Jesus Cristo como único Senhor e Salvador e andarmos em Sua Palavra, experimentaremos uma mudança de vida dia a dia.
No Antigo Testamento, a palavra para descrever a presença gloriosa de Deus e shekinah que, no Hebraico, significa: Morada, Presença, Aquilo que vive entre nós. Atualmente, o significado mais empregado para shekinah é “Glória de Deus”.

  • A PRESENÇA DE DEUS PRODUZ MOVIMENTO.
  • À medida que a nuvem sobre os Israelitas no deserto se movia, o povo também se movia.
  • Em Atos 4:31 a presença de Deus abalou o lugar onde os cristãos estavam reunidos.
  • A PRESENÇA DE DEUS NOS FAZ SENTIR AMOR PELOS PERDIDOS.
  • Se estamos cheios da presença de Deus devemos proclamar o amor de Deus aos perdidos. Jo3:16
  • A PRESENÇA DE DEUS NOS TORNA PRODUTIVOS.
  • A PRESENÇA DE DEUS NOS TORNA ALEGRES.

 

 
  • A PRESENÇA DE DEUS NOS TORNA PRÓSPEROS.

  • A PRESENÇA DE DEUS NOS LIBERTA.
  • A PRESENÇA DE DEUS TRAZCURA.
  • A PRESENÇA DE DEUS APONTA PARA A DIREÇÃO CERTA.
  • Deus guiou Israel pelo deserto até a Terra Prometida.
  • A PRESENÇA DE DEUS PRODUZ DESCANSO.
  • A PRESENÇA DE DEUS PRODUZ PAZ.
  • A PRESENÇA DE DEUS PRODUZ MILARES.
  • Deus sustentou o povo de Israel no deserto ao prover tudo o que eles precisavam.
  • A PRESENÇA DE DEUS É A GARANTIA DEVITÓRIAS.

Viva uma vida na presença de Deus e terá a presença de Deus, ou seja, a “Gloria de Deus”em sua vida de uma forma sobrenatural.

Que Deus te abençoe.

Um abraço

Pastor Everson

17/09/2013

 

 

Como Vencer um Gigante

Texto: I Samuel 17.37-50

 Ao ver a coragem de Davi enfrentando um homem com quase 3 metros de altura ficamos impressionados com sua coragem. Parece que Davi não sabia o risco que corria. E não sabia mesmo:


·         Sua fé era tão grande que não considerou o perigo.

·         Só pensava na grandeza e no poder de seu Deus.

·         Sua motivação era defender seu povo, por isso sua ousadia e coragem foram maiores que aquele gigante.

·         Enfrentamos muitos gigantes em nossas vidas.

·         O que é um gigante?

·         São situações maiores do que nós.

·         Um problema que parece que não vamos solucionar de tão grande que é.

 

Lembre das vitórias [leão e urso]: v.37


·         A memória de Davi o ajudou neste momento. Ele se lembrou das vezes que enfrentou ursos e leões para defender o rebanho de ovelhas de sua família.

·         Para ele um homem não seria nada comparado à ferocidade de um leão e à força de um urso.

·         A mesma energia e fé que o invadiu quando viu suas ovelhas sendo atacadas por um urso ou leão, voltou ao seu coração neste momento para com a força de Deus, defender o seu povo.

·         Se ele pensasse nos arranhões e talvez mordidas que recebeu nestes combates, certamente desanimaria. Mas, não se importou com as cicatrizes que por acaso tivesse.

·         Davi estava concentrado na vitória.

·         Vencer era seu único foco.

·         Como Davi, precisamos colecionar vitórias.

·         Sempre lembrar as bênçãos que recebemos é um exercício que fortalece nossa fé.

·         Pare de lembrar e contar derrotas e problemas. Comece a falar das bênçãos que já recebeu do Senhor e mais você receberá. Seu coração vai se encher de fé e coragem para enfrentar tudo e vencer!

Você se lembra de alguma vitória que Deus te deu?

Conte as bênçãos e tenha fé!

Seja você mesmov.38-40

·         Um grande perigo para os homens e mulheres de Deus é perder sua identidade, não ser verdadeiro. Copiar o que os outros fazem é um exemplo disso.

·         Às vezes queremos mostrar algo que não somos e por isso caímos em grande perigo.

·         Davi foi chamado para tomar precauções antes do combate. Queriam que usasse uma armadura de guerra. Mas ele nem sabia o que era isso. Até tentou usar, mas viu que não daria. Se ele tivesse um espelho ali, olharia e acharia bonito, mas não combinava com ele.

·         Talvez Davi fosse tentado a se ver como um guerreiro do exército real, contudo ele sabia que não era isso que ele era, pelo menos por enquanto. Um dia seria um guerreiro do exército, sim, mas ainda não era a hora. Por isso Davi deixou aquela armadura pra lá e foi revestido de sua confiança em Deus.

·         O rei, os soldados, o povo, os irmãos de Davi e até o gigante olhavam para ele e o viam como fraco.

·         Deus e o próprio Davi olhava para dentro de si e viam uma grande fé, uma força enorme capaz de vencer.

·         Ao enfrentar um gigante não caia na armadilha de vestir armaduras que não são suas, apenas para parecer grande ou um pouco maior do que você é.

 

·         Seja você mesmo. Pequeno ou Alto. Não importa. O que vale é o que está dentro de seu coração.

·         Não se preocupe com o que os outros pensam de você e sim com o que você sabe e com o que Deus te disse.

·         Não importa como os outros te vêm e sim com Deus te vê.

Você tem se escondido atrás de armaduras?

Cuidado, seja autêntico, você é capaz!

Confie somente em Deusv.46,47e 50

·         Davi não confiou no grande exército do rei Saul, nem em seus irmãos que ajudassem e nem em si mesmo dizendo-se capaz.

·         O tempo todo Ele só declarou palavras de fé em Deus. Ele dizia que “o Senhor te entregará nas minhas mãos” (v.46,47) e não que por sua força venceria o gigante. Sua confiança em Deus é tão grande que foi desarmado, pois “não havia espada na mão de Davi” (v.50).

·         Muitos cristãos pedem a Deus uma bênção e ao alcançarem um pouco de prosperidade começam a ficar arrogantes e se achando sabidos. Isso é um engano. Não podemos confiar em nós mesmos.

·         Um gigante terrível que tem derrubado muitos servos de Deus é o orgulho. Foi por ser orgulhoso que satanás caiu do céu (Isaías 14.12).

·         Para enfrentar os gigantes da vida, precisamos saber que não estamos sozinhos e que nosso Deus é maior do que tudo.

·         Se formos para a guerra confiando apenas em nossos recursos e capacidade, voltamos derrotados. Se lutarmos com esperança em Deus sempre será vencedores.

Você tem confiado em Deus ou em sua capacidade?

Melhor que autoconfiança é a confiança em Deus!

Você pode vencer um gigante!

·         Os gigantes se levantam diante de nós, mas caem perante a grandeza de Deus.

·         Não se esqueça as bênçãos que recebeu de Deus.

·         Elas te preparam para como uma escada de um pódio, receber uma vitória de cada vez até ser totalmente vencedor.

·         Também seja autêntico, reconheça seus limites e capacidades.

·         Não copie os outros.

·         Faça o que Deus colocar em seu coração mesmo que ninguém entenda.

·         Além disso, tome cuidado com excesso de autoconfiança e o erro de colocar sua esperança nos outros para não se decepcionar.

·         Não caia na tentação de fazer o que as pessoas querem que você faça, cumpra somente a vontade de Deus!

Para vencer um gigante você precisa:

·         Lembre-se das vitórias já alcançadas

·         Seja você mesmo diante de Deus

·         Confie somente no Senhor.

Você está disposto a vencer um gigante?

Com Deus você é capaz!

Deus te abençoe em nome de Jesus

Um abraço!

Pastor Everson

03/08/2013

 

 

 

Fé x Emoção

Os povos de todas as nações estão cansados de tantas religiões, tantas doutrinas e tantas obrigações. Na verdade, se continuam acreditando nelas, é porque ainda alimentam dentro de si um fio de esperança de que um dia, finalmente, suas vidas irão mudar e poderão alcançar as soluções para seus diversos tipos de problemas.

Mas enquanto isso não acontece, os seus sofrimentos vão se prolongando, e o pior de tudo, vão se acumulando.

Com filosofias diabolicamente engendradas, vão controlando a mente e o coração das pessoas de tal forma, que elas nem se dão conta de que estão servindo como verdadeiras marionetes em suas mãos.

Quando o Senhor Jesus Cristo iniciou o Seu ministério terreno, Ele viu esta situação e logo denunciou a hipocrisia dessa classe de “profissionais da religião”, através deste discurso:

“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque fechais o reino dos céus diante dos homens; pois vós não entrais, nem deixais entrar os que estão entrando! Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque devorais as casa das viúvas e, para o justificar, fazeis longas orações (...) Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque rodeais o mar e a terra para fazer um prosélito; e, uma vez feito, o tornais filho do inferno duas vezes mais do que vós! (...) Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho e tendes negligenciado os preceitos mais importantes da Lei: a justiça, a misericórdia e a fé; devíeis, porém, fazer estas coisas,sem omitir aquelas! Guias cegos, que coais o mosquito e engolis o camelo! Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque limpais e exterior do copo e do prato, mas estes, por dentro, estão cheios de rapina e intemperança! Fariseu cego, limpa primeiro o interior do copo, para que também o seu exterior fique limpo! Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas, porque sois semelhantes aos sepulcros caiados, que, por fora, se mostram belos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda imundícia! (...) Serpentes, raça de víboras! Como escapareis da condenação do inferno?”

Mateus 23.13-33

Essa classe, diga-se de passagem, atravessou Milênios e está aí, cada vez mais faminta e desesperada por suas presas, especialmente nestes últimos tempos.

Por outro lado, no mundo espiritual, existem os principados, as potestades, os dominadores e as forças espirituais do mal (Efésios 6.12). Como combatê-los? Só existe uma única arma: o poder sobrenatural da fé!

Palavras de amor, conselhos, doutrinas e tudo o mais podem até amenizar o sofrimento dos aflitos, mas para trazer solução definitiva, só o poder da fé viva no Deus Vivo!

Apenas a fé viva tem poder para neutralizar toda e qualquer investida de Satanás e seus demônios. O apóstolo Paulo assim escreveu aos cristãos da cidade de Corinto: “porque o reino de Deus consiste não em palavra, mas em poder.” (1 coríntios 4.20).

Nos três dias em que estivemos no Monte Horebe, o Espírito Santo nos revelou ser esta a Sua santa vontade: partir para cima do reino das trevas, com toda a fé que Ele nos tem colocado no coração!

Se realmente queremos salvar os perdidos, livrar os oprimidos do diabo e fazer notória a grandeza de Deus em nosso dias, não há outro caminho a percorrer senão o exercício da fé sobrenatural!

As pessoas estão cansadas de lero-lero, conversa fiada; elas querem mesmo é solução! O rei Salomão escreveu: “Como quem se despe num dia de frio e como vinagre sobre feridas, assim é o que entoa canções junto ao coração aflito.” (Provérbios 25.20).

Isso significa dizer que não adianta apenas ficar consolando o aflito com lindas palavras, ou mesmo com hinos de louvor a Deus. Isso não resolve a situação! O que ele mais deseja é se ver livre da sua situação!

Ora, os povos estão cada vez mais doentes, tanto no sentido físico quanto espiritual. Quando uma pessoa vai à igreja, vai em busca de solução, e não de paliativos, porque isso ela pode encontrar em qualquer esquina.

A solução definitiva vem somente pela ministração do poder de Deus! E o poder de Deus, por sua vez, só é ministrado através do exercício da fé sobrenatural.

Basicamente a fé é uma certeza. Seja ela natural ou sobrenatural, sempre será um sentimento de certeza absoluta. Se no coração não houver este sentimento de certeza absoluta, então não se pode considerar como fé.

Muitas pessoas confundem emoção com fé. Pensam que o fato de sentirem um forte desejo de chorar, ou mesmo vontade de sorrir, é fé. Não! A fé não é emoção, mas certeza! É uma convicção tal, que é impossível removê-la do coração.

 

A fé é como a luz, e a dúvida como as trevas. Se as trevas vêm com ímpeto contra a luz, imediatamente são dissolvidas por ela. A fé não se importa quando vêm as dúvidas, as tribulações, as perseguições, as ameaças ou qualquer outro dardo inflamado do diabo, porque ela vem de Deus!

Deus é a Fonte da fé viva! O Senhor Jesus é o Autor e Consumador da fé. Ele tem doado esta Sua energia, o Seu poder, chamado fé para aqueles que a Ele se submetem de todo o coração.

Por isso, absolutamente nada é capaz de vencer a verdadeira fé! Muito pelo contrário, pois sendo ela o poder de Deus, então vence tudo e ainda se mantém inabalável!

Somente aqueles que nasceram de Deus possuem esse poder, e esse poder tem de fluir naturalmente, para vencer todo o inferno deste mundo. Por isso também as Sagradas Escrituras afirmam categoricamente: “porque todo o que o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé.” (1 João 5.4).

O Senhor Jesus  também declarou: “...Tudo é possível ao que crê.” (Marcos 9.23). Significa que a fé é um poder que nasce com o Criador e é estendido à criatura, que vive e depende d’Ele.

Diante disso, podemos entender por que Abraão, com apenas trezentos e dezoito homens escolhidos, nascidos em sua casa, venceu quatro reis ao mesmo tempo, e mais tarde enfrentou o medo de perder o seu filho, levando-o para ser oferecido a Deus em sacrifício. Isso mostra que ele era nascido de Deus.

Moisés se recusou a ser chamado de filho da filha do Faraó, e preferiu trocar a glória do reino do Egito pelas dificuldades do deserto, porque era nascido de Deus. Josué foi audacioso ao ordenar que o Sol e a Lua ficassem parados por quase um dia inteiro, até destruir todos os seus inimigos, porque era nascido de Deus.

Davi ousou enfrentar Golias e todos os seus inimigos, e os venceu, porque era nascido de Deus. Daniel não teve medo de descer à cova dos leões, porque era nascido de Deus. Sadraque, Mesaque e Abede-Nego não se intimidaram diante do imperador da Babilônia e da sua fornalha, acesa sete vezes mais forte, porque eles eram nascidos de Deus.

O que mais podemos acrescentar para mostrar o verdadeiro caráter da fé? Foi por causa da fé, este poder imensurável de Deus, “...o Deus que vivifica os mortos e chama à existência as coisas que não existem.” (Romanos 4.17), que os cristãos primitivos enfrentaram a morte de cabeça erguida, da mesma forma que os verdadeiros cristãos no período da Inquisição.

A única maneira de se distinguir um sentimento emotivo de um sentimento de fé é verificando se há certeza absoluta ou não. Se por acaso houver um mínimo de medo, de preocupação ou dúvida, então não é fé, mas emoção, pois a Bíblia assim define a fé: “Ora, a fé é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem.” (Hebreus 11.1).

De acordo com esta definição bíblica, a fé é algo real e palpável, mas, ao mesmo tempo, invisível. Assim é a fé. Ela mostra uma realidade de algo inexistente, ou seja, dá realidade às coisas invisíveis, considerando-as como se fossem objetos da visão física.

Aí está, portanto, o grande poder da fé: trazer à existência as coisas que não existem. De fato, isso confunde a sabedoria deste mundo, pois contradiz todas as teorias da razão.

A Ciência, por exemplo, fundamenta-se em fatos reais, concretos e visíveis, e a fé não, pois se baseia na certeza de algo invisível, como o próprio Deus, que, sendo Espírito, é invisível.

A fé é a certeza de algo que não vemos. Talvez seja esta a razão por que o Senhor Jesus traçou o caminho da fé, para que a Sua criatura pudesse chegar até Ele. O apóstolo Paulo registrou:

“Visto como, na sabedoria de Deus, o mundo não O conheceu por sua própria sabedoria, aprouve a Deus salvar os que crêem pela loucura da pregação.”

Tenha uma fé viva!

Um abraço!

Pastor Everson

25/06/2013

 

 

 

Deus de promessas

A vida do rei Davi não poderia ter sido melhor. Ele havia acabado de ser coroado. A sala onde fica seu trono cheira à tinta fresca e o arquiteto de sua cidade está projetando novos bairros. A arca de Deus habita no tabernáculo; ouro e prata transbordam nos cofres do rei; os inimigos de Israel mantêm-se à distância. Os dias de Saul, prostrado, são uma lembrança distante.

Mas algo desperta uma dessas lembranças. Um comentário, talvez, ressuscita uma velha conversa. Talvez um rosto familiar balance em sinal de negativo diante de uma decisão com data marcada para acontecer. Em meio à sua nova vida, Davi lembra-se de uma promessa de seus tempos antigos: "Resta ainda alguém da família de Saul a quem eu possa mostrar lealdade, por causa de minha amizade com Jônatas?" (2 Samuel 9:1).

Confusão é o que se vê no rosto da corte de Davi. Por que se preocupar com os filhos de Saul? Esse é um novo tempo, essa é uma nova administração. Quem se importa com a velha guarda? Davi. Ele se importa porque se lembra do acordo que fez com Jônatas. Quando Saul ameaçou matar Davi, Jônatas tentou salvá-lo. Jônatas conseguiu fazê-lo e depois fez este pedido: "Se eu continuar vivo, seja leal comigo, com a lealdade do SENHOR; mas se eu morrer, jamais deixe de ser leal com a minha família" (1 Samuel 20:14,15).

Jônatas morre. Mas o acordo de Davi não. Ninguém teria pensado duas vezes antes de deixá-lo para trás. Davi tem muitas razões para se esquecer da promessa que fez a Jônatas.

Os dois eram jovens e idealistas. Quem cumpre as promessas de juventude?

Saul era cruel e impiedoso. Quem honra os filhos de um sujeito vingativo?

Davi tem uma nação para governar e um exército para liderar. Que rei tem tempo para coisas pequenas?

Mas, para Davi, um acordo não é uma coisa pequena. Quando listar os gigantes que Davi enfrentou, esteja certo de que a palavra promessa não foi cortada e faz parte da pequena lista. Ela certamente aparece em grande parte das listas de desafios pelo monte Everest.

O marido de uma esposa deprimida conhece o desafio de uma promessa. Enquanto ela se vê diariamente em meio a uma sombra de tristeza, ele se pergunta sobre o que teria acontecido com a garota com quem se casou .Você consegue cumprir uma promessa em um momento como esse?

A esposa de um marido que a trai faz a mesma pergunta. Ele está de volta. Arrependido. Ela está magoada. Ela se pergunta: Ele quebrou sua promessa... Devo manter a minha?

Pais têm feito a mesma pergunta. Pais de filhos pródigos. Pais de filhos que fogem. Pais de filhos deficientes e incapacitados.

Até pais de crianças saudáveis têm se perguntado como manter uma promessa. Os momentos da lua-de-mel e as noites tranqüilas ficam enterrados sob uma pilha de fraldas sujas e noites curtas.

Promessas. Comprometidas entre flores de primavera. Cobradas no tempo cinzento do inverno. Elas aparecem em nossa vida liliputiana feito um gigante Gulliver. Nunca escapamos de suas sombras. Davi, ao que parece, não tentou escapar.

Encontrar um descendente de Jônatas não era fácil. Ninguém que pertencia ao círculo de Davi conhecia um. Conselheiros mandaram chamar Ziba, um antigo servo de Saul. Será que ele conhecia um membro ainda vivo da família de Saul? Dê uma boa olhada na resposta de Ziba: "Ainda há um filho de Jônatas, aleijado dos pés" (2 Samuel 9:3).

Ziba não menciona nenhum nome, só diz que o menino é aleijado. Percebemos um repúdio levemente disfarçado em suas palavras: "Cuida­do, Davi. Ele não — como diria você? — cai bem no palácio.Você podia pensar duas vezes antes de cumprir essa promessa."

Ziba não dá detalhes sobre o menino, mas o quarto capítulo de 2 Samuel os apresenta. A pessoa em questão é o filho de Jônatas, Mefibose­te. (Que nomes incríveis! Você está precisando de nomes para seus nenês? Experimente Ziba e Mefibosete. Eles vão se destacar na escola.)

Quando Mefibosete tinha cinco anos, seu pai e seu avô morreram nas mãos dos filisteus. Conhecendo a brutalidade dos filisteus, a família de Saul foi para as montanhas. A ama de Mefibosete apanhou-o e fugiu, depois tropeçou e deixou-o cair, quebrando ele os dois tornozelos, o que o deixou irremediavelmente manco. Servos fugitivos carregaram-no na travessia do rio Jordão até uma vila inóspita chamada Lo-Debar. O nome significa "sem pasto". Imagine uma cidade com um trailer tom­bado, arrendado por um preço ridículo, jogado no meio de um deserto. Mefibosete escondeu-se ali, primeiro porque estava com medo dos filis­teus, depois porque teve medo de Davi.

Junte os tristes detalhes da vida de Mefibosete:

 

§  nasceu como herdeiro legítimo do trono;

§  foi vitimado por uma queda;

§  foi deixado, impossibilitado de andar, em uma cidade estranha;

§  lá vivia sob a ameaça de morte.

Vitimado. Excluído. Incapacitado. Inculto.

"Tem certeza?", insinua a resposta de Ziba. "Tem certeza de que você quer gente como esse menino em seu palácio?"

Davi tem certeza.

Servos estacionam uma enorme limusine do outro lado do rio Jor­dão e batem à porta da cabana. Explicam por que estão ali, colocam Mefibosete dentro do carro e levam-no para o palácio. O menino imagina o pior. Ele vai ao encontro de Davi com o entusiasmo de um presidiário no corredor da morte, entrando na sala em que receberá uma injeção letal.

O menino prostra-se e pergunta:

"Quem é o teu servo, para que te preocupes com um cão morto como eu?"

Então o rei convocou Ziba e disse-lhe: "Devolvi ao neto de Saul, seu senhor, tudo o que pertencia a ele e à família dele... Mefibosete co­merá sempre à minha mesa" (9:8-10).

Em tempo menor que o necessário para pronunciar Mefibosete duas vezes, o menino é promovido de Lo-Debar para a mesa do rei. Adeus, anonimato. Olá, realeza e palácio real. Observe: Davi poderia ter enviado dinheiro para Lo-Debar. Teria, generosamente, cumprido sua promessa com uma pensão anual vitalícia. Mas Davi deu mais do que uma pensão para Mefibosete; ele lhe deu um lugar — um lugar à mesa do rei.

Observe atentamente o retrato de família pendurado sobre a lareira de Davi; você verá o sorriso largo no diploma do Colégio de Lo-Debar. Davi está sentado no trono, no centro, rodeado de muitas esposas. Bem em frente ao belo e bronzeado Absalão, à direita da incrível beleza de Ta­mar, na fileira do estudioso Salomão, você verá Mefibosete, neto de Saul, filho de Jônatas, apoiando-se em suas muletas e sorrindo como se tivesse acabado de ganhar na loteria de Jerusalém.

E isso não deixa de ser verdade. A criança que não tinha pernas para sustentar-se tem tudo para viver. Por quê? Por que impressionou Davi? Convenceu Davi? Coagiu Davi? Não. Mefibosete não fez nada. Uma promessa motivou Davi. O rei é bom, não porque o menino esteja merecendo, mas porque a promessa é eterna.

Para ter outra prova, acompanhe a vida de Mefibosete. Ele aco­moda-se no baluarte e desaparece das Escrituras por 15 anos ou algo em torno disso. Reaparece em meio ao drama da rebelião de Absalão.

Absalão, um filho rebelde, força Davi a fugir de Jerusalém. Enver­gonhado, o rei escapa com alguns amigos fiéis. Adivinhe quem está entre eles? Mefibosete? Pensei que você acharia também. Mas não é. É Ziba. Ziba diz para Davi que Mefibosete ficou do lado do inimigo. A história desenrola-se, Absalão perece e Davi volta para Jerusalém, onde Mefibose­te dá ao rei outra versão da história. Ele encontra-se com Davi sem estar com a barba aparada e com roupas sujas. Segundo ele, Ziba abandonou-o em Jerusalém e não o colocou em um cavalo para que pudesse viajar.

Quem está dizendo a verdade? Ziba ou Mefibosete? Um está men­tindo. Qual deles? Não sabemos. Não sabemos porque Davi nunca per­gunta. Ele nunca pergunta, porque não importa. Se Mefibosete diz a verdade, ele fica. Se mente, ele fica. Seu lugar no palácio depende, não de seu comportamento, mas da promessa de Davi.

Por quê? Por que Davi é tão leal? E como? Como Davi é tão leal?

Mefibosete não traz nada e leva muito. De onde Davi tirou tal decisão? Se pudéssemos perguntar para Davi como ele venceu o gigan­te da promessa, ele nos tiraria de sua história e nos levaria à história de Deus. Deus é o exemplo a ser seguido em termos do cumprimento de acordos. Como disse Moisés aos israelitas:
 

Saibam, portanto, que o SENHOR, o seu Deus, é Deus; ele é o Deus fiel, que mantém a aliança e a bondade por mil gera­ções daqueles que o amam e obedecem aos seus mandamentos (Deuteronômio 7:9).

Deus faz e nunca quebra suas promessas. O termo hebraico para pacto, beriyth, significa "um acordo solene de peso obrigatório".1 Seu pacto irrevogável corre como um fio vermelho pelo tapete das Escritu­ras. Você lembra-se de sua promessa a Noé?

Estabeleço uma aliança com vocês: Nunca mais será ceifada nenhuma forma de vida pelas águas de um dilúvio; nunca mais haverá dilúvio para destruir a terra". E Deus prosseguiu: "Este é o sinal da aliança que estou fazendo entre mim e vocês e com todos os seres vivos que estão com vocês, para todas as gerações futuras: o meu arco que coloquei nas nuvens. Será o sinal da minha aliança com a terra (Gênesis 9:11-13).

Todo arco-íris nos faz lembrar do pacto de Deus. Curiosamente, astronautas que viram os arco-íris do espaço sideral contam que eles for­mam um círculo completo.2 As promessas de Deus, de igual modo, não se quebram e não têm fim.

Abraão pode falar de promessas. Deus disse ao patriarca que contar as estrelas e contar seus descendentes seriam dois desafios idênticos.

Para garantir o juramento, Deus levou Abraão a cortar vários ani­mais ao meio. Para selar um pacto no Antigo Oriente, quem fazia a pro­messa passava pelo corpo dividido do animal, oferecendo-se para ter o mesmo destino se quebrasse sua palavra.

Depois que o sol se pôs e veio a escuridão, eis que um foga-reiro esfumaçante, com uma tocha acesa, passou por entre os pedaços dos animais. Naquele dia o SENHOR fez a seguinte aliança com Abrão:" Aos seus descendentes dei esta terra, des­de o ribeiro do Egito até o grande rio, o Eufrates" (Gênesis 15:17,18).

Deus leva a sério as promessas e as sela de maneira drástica. Con­sidere o caso de Oséias. Setecentos anos antes do nascimento de Jesus, Deus ordenou que Oséias se casasse com uma prostituta chamada Gô­mer. (Se a profissão dela não causasse suficiente impacto, seu nome cau­saria.) Todavia, Oséias obedeceu. Gômer deu à luz três filhos, sendo que nenhum deles era de Oséias. Gômer abandonou Oséias para levar uma vida igual à de uma garota de programa em uma casa noturna. O fundo do poço chegou na forma de um leilão, em que homens faziam lances para comprá-la como escrava. Homens de menor envergadura acenavam para ela dando-lhe a entender que podia ir embora. Não Oséias. Ele fez os lances, comprou sua esposa e levou-a novamente para casa. Por quê? Aqui está a explicação de Oséias.

O SENHOR me disse: "Vá. trate novamente com amor sua mulher, apesar de ela ser amada por outro e ser adúltera. Ame-a como o SENHOR ama os israelitas, apesar de eles se volta­rem para outros deuses e de amarem os bolos sagrados de uvas passas".

Por isso eu a comprei por 180 gramas de prata e um barril e meio de cevada (Oséias 3:1,2).

Você precisa de uma descrição do nosso Deus que cumpre promes­sas? Olhe para Oséias comprando de volta a esposa. Olhe para a panela quente passando pelos animais. Olhe para o arco-íris. Olhe para Mefi­bosete. Você nunca se apresentou como Mefibosete, de Lo-Debar, mas poderia. Você se lembra dos detalhes da desgraça dele? Ele...

§  nasceu como herdeiro legítimo do trono;

§  foi vitimado por uma queda;

§  foi deixado, impossibilitado de andar, em uma cidade estranha;

§  lá vivia sob a ameaça de morte.

Essa é a sua história! Você não nasceu como um filho do Rei? Você não ficou manco por causa do tropeço de Adão e Eva? Quem, entre nós, não perambulou pela areia seca de Lo-Debar?

Mas então veio o mensageiro do palácio. Um professor da quarta série, um amigo do colégio, uma tia, um pregador da televisão. Eles vie­ram com uma grande notícia e uma limusine que estava à nossa espera.

— Você não vai acreditar nisso — anunciaram — mas o rei de Israel tem um lugar à mesa para você. O cartão que indica seu lugar à mesa está impresso e a cadeira está vazia. Ele o quer na família.

Por quê? Por causa do seu QI? Deus não precisa de nenhum conselho.

O dinheiro de sua aposentadoria? Não vale um tostão para Deus.

Suas habilidades na empresa? É claro! O arquiteto de órbitas precisa de sua opinião.

Sinto muito, Mefibosete. O convite não tem nada a ver com você e tem tudo a ver com Deus.

Ele fez a promessa de que lhe daria a vida eterna: "[a] esperança da vida eterna, a qual o Deus que não mente prometeu antes dos tempos eternos" (Tito 1:2).

Sua vida eterna é conseqüência do pacto, garantida pelo pacto e baseada no pacto. Você pode olhar para Lo-Debar pelo espelho retrovisor por uma razão — Deus cumpre suas promessas. O fato de Deus cumprir promessas não deveria inspirá-lo a fazer o mesmo?

O céu sabe que você poderia se valer de certa inspiração. As pessoas podem cansá-lo. E há momentos em que tudo o que podemos fazer não é suficiente. Quando um cônjuge opta por sair de casa, não podemos forçá-lo a ficar.

 

Quando um cônjuge comete um abuso, não devemos continuar. O que há de melhor no amor pode não ser correspondido. Não pretendo, em nenhum momento, minimizar os desafios que alguns de vocês enfrentam.Você está cansado. Você está irritado. Você está desapontado. Este não é o casamento que você esperava ou a vida que queria. Mas lá no seu passado está uma promessa que você fez. Posso incentivá-lo a fazer todo o possível para cumpri-la? Para fazer mais uma tentativa?

Por que você deveria? Para que possa entender a profundidade do amor de Deus.

Ao amar aquele que não ama, você tem um vislumbre daquilo que Deus faz por você. Ao deixar a luz da frente acesa para o filho pródigo, ao fazer o que é certo mesmo tendo feito o errado, ao amar o fraco e o doente, você faz o que Deus faz a cada instante. Cumprir o pacto é sua inscrição na escola de pós-graduação de Deus. Quando você ama os mentirosos, os trapaceiros e os que partem seu coração, você não está fazendo o que Deus fez por nós? Preste atenção em suas brigas e tome nota. Deus o convida a entender o amor dele.

Ele também quer que você o demonstre.

Davi fez isso com Mefibosete. Davi era uma parábola ambulante da lealdade de Deus. Oséias fez o mesmo com Gômer. Ele vestiu-se da devoção divina. Minha mãe fez isso com meu pai. Lembro-me de vê-la cuidando dele em seus últimos meses. A esclerose lateral amiotrófica (ELA) sugou a vida de cada músculo de seu corpo. Ela fez por ele o que mães fazem por seus bebês. Ela deu-lhe banho, alimentou-o e vestiu-o. Pôs uma cama de hospital na sala de nossa casa e cumpriu sua missão com ele. Se ela se queixou, nunca ouvi. Se franziu as sobrancelhas, nunca vi. O que ouvi e vi foi uma mulher cumprindo um pacto. "É isso que o amor faz" — era o que suas ações anunciavam quando ela passava-lhe talco, fazia sua barba e lavava seus lençóis. Ela exemplificou o poder de uma promessa cumprida.

Deus pede que você faça o mesmo. Demonstre o amor resistente. Encarne a fidelidade. Deus está lhe dando uma chance do tamanho da de Mefibosete para mostrar para seus filhos e seus vizinhos o que o verdadeiro amor faz.

Abrace-o. Quem sabe? Alguém pode contar sua história de lealdade para ilustrar a lealdade de Deus?

Uma última reflexão. Você lembra-se do retrato de família no palácio de Davi? Duvido que Davi tivesse um. Mas acho que o céu poderia ter. Não será maravilhoso ver seu rosto no retrato? Dividindo a moldura com gente como Moisés e Marta, Pedro e Paulo... lá estarão você e Me­fibosete. Ele não vai querer ser o único arreganhando os dentes.

Extraído do livro de Max Lucado - Derrubando Gigantes

Deus tem promessas pra você. Creia nisso.

Um abraço!

Pastor Everson

 

 

 

O Tribunal de Cristo

Todos nós iremos comparecer diante de Cristo que, como juiz, julgará as nossas obras (2 Co 5.10; At 17.31).

Quem não for salvo, depois da morte, passará pelo julgamento do Trono Branco.

Quem for salvo irá ao julgamento do tribunal de Cristo (Rm 14.10), onde serão julgadas as obras, para determinar a qualidade das mesmas.

Neste evento será determinada a recompensa ou a perda da recompensa, e não a salvação, pois quem estiver diante do tribunaljáestásalvo.
O tribunal de Cristo não se destinará ao julgamento dos nossos pecados, pois os mesmos foram perdoados por Jesus no Calvário (1 Jo 1.7).

Não será para garantir um lugar nos céus (Ap 22.14), que foi obtido a partir do momento em que cremos em Jesus e nosso nome foi escrito no Livro da Vida nem a nossa condenação, visto que nenhuma condenação há para aqueles que estão em Cristo Jesus (Rm 8.1; Jo 5.24; 1 Jo 4.17).

A palavra para este tribunal no grego é bema: um local elevado onde se assentava um juiz (At 18.16). Era também o local onde um juiz se assentava nas competições para recompensar os vencedores.

Quando acontecerá este julgamento?
Isto acontecerá após o arrebatamento da igreja. A recompensa está associada à ressurreição (Lc 14.14) e com o dia da vinda do Senhor - “aquele dia” (1 Co 4.5; 2 Tm 4.8; Ap 22.12). Os que morreram em Cristo ressuscitarão em corpo glorioso, os que estiverem vivos serão transformados e todos participarão deste evento.

Onde acontecerá este julgamento?
Há diversas opiniões com respeito ao lugar onde se dará esse juízo. Alguns opinam que será no céu, outros que será nos ares   (1 Ts 4.17). A história de Isaque e Rebeca (Gn 24) pode ser uma figura deste fato, pois Rebeca deixou sua terra e empreendeu uma longa caminhada para se encontrar com Isaque, mas o encontro não se deu na casa de Isaque e sim no campo, o que nos dá a idéia de ser nos ares, conforme mencionado pelo apóstolo Paulo. Cremos que não será na terra para não ser presenciado pelos pecadores que durante sua vida foram hostis ao povo de Deus, e que não será no céu, pois diante do tribunal haverá decepções (1 Jo 2.28), coisa que não haverá no céu, mas só alegria no Espírito Santo.

O que será julgado?
As obras que fizermos por meio do corpo serão provadas pelo fogo (2 Co 5.10) e podem ser aprovadas ou reprovadas                (1 Co 9.27). A palavra utilizada por Paulo para “mal” é phaulos, que tem o sentido de inutilidade, impossibilidade de gerar qualquer bem.
Cristo vai avaliar o tipo de cada obra e também a razão da mesma: foi feito por amor ao Senhor? (1 Co 13.3). Pois o primeiro mandamento em Mt 22.37 é: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento”.
Se as fizemos de boa vontade, receberemos galardão                  (1 Co 9.17,18; 1 Pe 5.2-4), mas se as fizemos com motivos de auto benefício, nada receberemos (Fp 1.15).

O Senhor julgará:
• Como usamos os recursos que ele nos deu, dons e talentos      (Mt 25.19-21; Lc 19.13,16);
• O trabalho que fizemos ao Senhor e à igreja (1 Co 3.8; Hb 6.10; Ap 2.12,13; Mc 9.41; Mt 10.41,42);
• Nossas relações com nossos irmãos (Rm 14.10);
• Aquilo que sofremos por amor a Cristo (Mt 5.11,12; Lc 6.22,23; Ap 2.10);
• Nossa fidelidade como despenseiros (1 Co 4.1-5).

Algumas pessoas falam: “Bem, estou feliz de ir para o céu e se já vou para lá, isso é bastante para me fazer feliz”. Não, não é! Se você chegasse em casa hoje à noite e a encontrasse completamente destruída, toda a sua roupa queimada, todos os móveis e utensílios reduzidos a cinzas, e também os aparelhos elétricos, sem nada no seguro, não ficaria feliz com isso. Muitos cristãos comparecerão diante do Tribunal de Cristo, vendo suas obras em chamas.
Ninguém será salvo pelas obras (Tt 3.5), mas, depois de ter sido salvo, o filho de Deus deve praticar boas obras, para glória de Deus (Ef 2.10).
Alguns crentes ficarão como Ló (Gn 19), cujas obras foram completamente queimadas no fogo. Tudo o que ele havia feito foi queimado, só que ele mesmo não se queimou. Ele é o retrato do cristão carnal comparecendo ante o Tribunal de Cristo.

As obras que passarão no teste do fogo serão as de ouro, prata e pedras preciosas e as que serão queimadas serão as de palha, madeira e feno. Há um contraste entre o que é duradouro e o que é passageiro; entre o que é caro e o que é barato; entre o belo e o feio. Aqueles que se esforçam para fazerem o melhor – obras permanentes - e não se conformam em fazer de qualquer maneira será recompensado (1 Co 3.14; Jr 48.10)! Aquilo que construímos deve estar de acordo com o fundamento, que é precioso. As obras valiosas são feitas segundo o padrão e a vontade de Deus, enquanto as obras sem valor são construídas num padrão puramente humano, inferior.
Que recompensas nós receberemos?
Haverá recompensas entregues e estas serão em forma de coroas:
a) A coroa da vitória (1 Co 9.25). A vida crista se constitui numa batalha espiritual contra três inimigos terríveis: a carne, o mundo e o Diabo. Esta coroa é denominada, também, como coroa incorruptível, porque se refere à conquista do domínio do crente sobre o velho homem.

b) A coroa de gozo (1 Ts 2.19; Fp 4.1). A palavra gozo significa prazer, alegria, satisfação. Uma das atividades cristã que mais satisfazem o coração do crente é o

 

ganhar almas. Isto é, praticar o evangelismo pessoal e ganhar pessoas para o reino de Deus. Na busca do gozo nesta vida, nada é comparável ao de salvar almas para Cristo, livrando as da perdição eterna. Por isso, quem ganha almas, sábio é (Pv 11.30; Dn 12.32).

c) A coroa da justiça (2 Tm 4.7,8). É o premio dos fiéis, dos batalhadores da fé, dos combatentes do Senhor, os quais vencendo tudo esperam a Sua vinda.

d) A coroa da vida (Ap 2.10; Tg 1.12). Não se trata da simples vida que temos aqui. Essa coroa é um prêmio especial porque implica conquista de um tipo de vida superior à vida terrena, ou simples vida espiritual, como a tem os anjos. É a modalidade de vida conquistada mediante a obra expiatória de Cristo Jesus – a vida eterna. É o galardão da fidelidade do crente.

e) A coroa de glória (1 Pe 5.2-4). Certos eruditos na Bíblia entendem que esta coroa é o galardão dos ministros fiéis que promoveram o reino de Deus na Terra, sem esperar recompensa material.

O próprio Senhor Jesus, Juiz desse tribunal, é quem fará a entrega dos prêmios, galardões, recompensas (2 Co 9.6). Ele declara a João, na ilha de Patmos, dizendo: “O meu galardão está comigo para dar a cada um segundo as suas obras” (Ap 22.12). O apóstolo Paulo declara, também, que todo crente receberá o seu louvor (elogio) da parte de Deus (1 Co 4.5).
Nosso Senhor nos recompensará publicamente, diante do todos os salvos e seres celestiais (Mt 6.4). Não existe honra maior do que esta de ter um Salvador impecável nos cumprimentando publicamente, diante dos querubins e serafins, dos santos e da Trindade!

O propósito dos galardões não é glorificar quem os recebeu, mas aquele que os entregou. Vivemos para glorificar a Deus, agora e no porvir. Assim, cremos que as coroas serão oferecidas ao Cordeiro (Ap 4.10), como uma oferta de cada crente ao seu Senhor. Assim, o tesouro que ajuntamos no céu será para glorificar ao Mestre e não para exibição dos servos.

O Julgamento dos crentes no Tribunal de Cristo 

“PORQUE TODOS DEVEMOS comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem ou mal” (2 Co 5.10). 

A Bíblia ensina que os crentes terão, um dia, de prestar contas “ante o tribunal de Cristo”, de todos os seus atos praticados por meio do corpo, sejam bons ou maus. No tocante a esse julgamento do crente, segue-se o estudo de alguns de seus pontos.

(1) Todos os crentes serão julgados; não haverá exceção (Rm 14.10,12; 1 Co 3.12-15; 2 Co 5.10).

(2) Esse julgamento correrá quando Cristo vier buscar a sua igreja (1 Ts 4.14-17).

(3) O juiz desse julgamento é Cristo (Jo 5.22, cf. “todo o juízo”; 2 Tm 4.8, cf. “Juiz”).

(4) A Bíblia fala do julgamento do crente como algo sério e solene, mormente porque inclui para este a possibilidade de dano ou perda (1 Co 3.15, cf. 2 Jo 8); de ficar envergonhado diante dEle “na sua vinda” (1 Jo 2.28), e de queimar-se o trabalho de toda sua vida (1 Co 3.13-15). Esse julgamento não é para sua salvação ou condenação. É um julgamento de obras.

(5) Tudo será conhecido. A palavra “comparecer” (gr. Phaneroo, 2 Co 5.10) significa “tornar conhecido aberta ou publicamente”. Deus examinará e revelará abertamente, na sua exata realidade, (a) nossos atos secretos (Mc 4.22; Rm 2.16), (b) nosso caráter (Rm 2.5-11), (c) nossas palavras (Mt 12.36, 37), (d) nossas boas obras (Ef 6.8), (e) nossas atitudes (Mt 5.22), (f) nossos motivos (1 Co 4.5), (g) nossa falta de amor (Cl 3.23-4.1) e (h) nosso trabalho e ministério (1 Co 3.13).

(6) Em suma, o crente terá que prestar contas da sua fidelidade e infidelidade a Deus (Mt 25.21-23; 1 Co 4.2-5) e das suas práticas e ações, tendo em vista a graça, a oportunidade e o conhecimento que recebeu (Lc 12.48; Jo 5.24; Rm 8.1)

(7) As más ações do crente, quando ele se arrepende, são perdoadas no que diz respeito ao castigo eterno (Rm 8.1), mas são levadas em conta quanto à sua recompensa: “Mas quem fizer agravo receberá o agravo que fizer” (Cl 3.25; cf. Ec 12.14; 1 Co 3.15; 2 Co 5.10). As boas ações e o amor do crente são lembrados por Deus e por Ele recompensados (Hb 6.10) “Cada um receberá do Senhor todo o bem que fizer” (Ef 6.8). 

(8) Os resultados específicos do julgamento do crente serão vários, como obtenção ou a perda de alegria (1 Jo 2.28), aprovação divina (Mt 25.21), tarefas e autoridade (Mt 25.14-30), posição (Mt 5.19; 19.30), recompensa (1 Co 3.12-14; Fp 3.14; 2 Tm 4.8) e honra (Rm 2.10; cf. 1 Pe 1.7).

(9) A perspectiva de um iminente julgamento do crente deve aperfeiçoar neste o temor do Senhor (2 Co 5.11; Fp 2.12; 1 Pe 1.17), e leva-lo a ser sóbrio, a vigiar e a orar (1 Pe 4.5,7), a viver em santa conduta e piedade (2 Pe 3.11) e a demonstrar misericórdia e bondade a todos (Mt 5.7; cf. 2 Tm 1.16-18).

Deus te abençoe poderosamente em nome de Jesus Cristo.

Um abraço

Pastor Everson

 

 

 

Salvação só em Jesus Cristo

No Getsêmane, Jesus enfrentou um momento decisivo ao ESVAZIAR-SE e submeter-se totalmente à vontade de Deus.

No calor da batalha, sua natureza humana clamou: “Meu Pai, se for possível, afasta de mim este cálice”. Embora fosse Filho de Deus, Cristo teve de enfrentar sofrimento e tentação como ser humano.

Durante os seus dias de vida na terra, Jesus ofereceu orações e súplicas, em alta voz e com lágrimas, àquele que o podia salvar da morte, sendo ouvido por causa da sua reverente submissão. Embora sendo Filho, ele aprendeu a obedecer por meio daquilo que sofreu. (Hebreus 5:7-8).

Enquanto esteve nesta terra, Jesus foi obediente à vontade do Pai. Ele esvaziou-se voluntariamente abriu mão dos atributos divinos. Não deixou de ser Deus, mas DESPIU-SE de toda a sua glória. (Fp 2:5-7).

Como ser humano, Jesus tinha vontade própria. Mas, durante toda a sua vida, submeteu-se aos propósitos de Deus. No início de seu ministério, durante o batismo no rio Jordão, entregou-se à vontade do Pai. Toda a sua vida estava centrada neste único objetivo: realizar a vontade de Deus. Na estrada para Jerusalém, mostrou-se determinado a cumprir os desígnios do Pai.

No Getsêmane, travou-se uma batalha intensa no íntimo de Jesus. De um lado, Ele sabia ter vindo ao mundo com o propósito de sofrer e morrer, provar a morte no lugar da humanidade e levar sobre si o terrível peso dos pecados de todo o mundo. Por outro lado, sabia que em breve iam prendê-lo e açoitá-lo, e amarrá-lo a um poste e surrá-lo com tiras de couro com peças de metal e de ossos afiados na ponta até que a sua pele estivesse dilacerada. Sabia que o esbofeteariam e que lhe arrancariam a barba até o seu semblante ficar inteiramente desfigurado. Sabia que não cometera pecado e, no entanto, levaria sobre si toda a iniqüidade do mundo: ódio, inveja, mentira, assassinato, perversão, lascívia, ganância, e muitos outros tipos de pecados, ou seja, todos os pecados que existem. Jesus teria que enfrentar a ira de Deus e ser afastado do Pai ao ser julgado pelos pecados. Sabendo disso, a sua porção humana rogou que Ele fosse poupado de beber o cálice do sofrimento. Entretanto, até mesmo essa sua petição ao Pai baseava-se na vontade de Deus. Ele disse: “Pai, SE QUERES”. Ele não desejava opor-se ao propósito de Deus, mesmo diante da morte.

Três vezes Cristo pediu para ser poupado, e nas três vezes submeteu-se à vontade de Deus. Jesus não estava pensando em si mesmo, nas posses que deixaria para trás ou na terrível dor que deveria experimentar em breve. Ele estava TOTALMENTE SUBMISSO à vontade do Pai.

Na terceira vez que orou, Jesus venceu Satanás e os poderes das trevas. O momento decisivo foi quando, ciente da dor e do sofrimento que o aguardavam, Jesus reafirmou o seu compromisso, dizendo: “Não seja como eu quero, mas sim como tu queres”. Ele se ESVAZIOU totalmente de seus desejos, abriu mão da própria vida e submeteu-se a Deus.

Durante aquela intensa agonia e luta espiritual no Getsêmane, Deus não abandonou Jesus. Seus olhos estavam sobre o seu Filho e, por causa da disposição deste em humilhar-se e submeter-se por completo ao plano de Deus, o Pai ouviu o seu clamor e enviou um anjo para confortá-lo naquela hora final. (Lc 22:43).

Jesus então se pôs de pé e acordou os discípulos. Agora estava pronto para enfrentar o inimigo. Não havia como retroceder. Ele se colocara em posição para conquistar a maior VITÓRIA que o mundo já viu!

Jesus conhecia a vontade de Deus. Ele abriu mão da própria vontade. Ele estava disposto a obedecer ao Pai até a morte.

Quando Judas, os principais sacerdotes e os soldados romanos chegaram para prendê-lo, Jesus não fugiu. Não estava com medo e não resistiu à prisão. Pedro sacou a espada e cortou a orelha do servo do sumo sacerdote, porém Jesus

 

repreendeu o discípulo: “Guarde a espada! Acaso não haverei de beber o cálice que o Pai me deu?” (Jo 18:11).

Cristo não se rebelou nem deu as costas ao plano de Deus. Continuou trilhando a estrada até o Calvário.

Os soldados rasgam o manto púrpura que cobre as costas ensanguentadas do Senhor e lhe devolvem as roupas. Colocam uma cruz pesada sobre os seus ombros dilacerados e o enxovalham pelas ruas.

Jesus caminha pelas vielas de Jerusalém, esforçando-se para prosseguir sob o peso da cruz. As pessoas ao longo do caminho riem dele e o ridicularizam. Algumas das mulheres que o seguiam, vão atrás dele, chorando em alta voz.

Em certo ponto da caminhada, Jesus cai. Está tão enfraquecido por causa do castigo que sofreu que não consegue mais carregar a cruz.

Você consegue vê-lo estirado naquela rua, com a cruz de madeira sobre o corpo? O sangue brota de suas costas. A coroa de espinhos, cravada em sua fronte, faz com que o sangue lhe escorra pela face.

Jesus não diz nada. Suporta a dor e o sofrimento. Os soldados entregam a cruz a Simão, o cirineu, que segue atrás de Jesus, até que chegam a um local do lado de fora da cidade chamado Calvário ou Gólgota, que significa o lugar da caveira. Quando Jesus chega ao Gólgota, os soldados lhe oferecem um gole de vinagre misturado com fel, que se destina a amenizar a dor excruciante da crucificação. No entanto, Jesus se recusa a beber. Em vez disso decide suportar em plena consciência o sofrimento que lhe foi designado.

Os soldados desnudam Jesus e o colocam sobre a cruz. Erguem o martelo e, com golpes fortes, atravessam cravos de ferro nas mãos e nos pés do Filho de Deus. A dor é indescritível. Todo o seu corpo treme, e Cristo grita de agonia. Eles erguem a cruz, lançam a haste no chão, em um baque forte.

Observem Jesus está ali dependurado, como sacrifício a nosso favor. Ele experimenta a dor, a desgraça, e a humilhação da cruz em nosso lugar, para que sejamos livres da escravidão do pecado, para que nos tornemos filhos de Deus e para que alcancemos uma posição de poder e glória!

Você consegue visualizar Jesus Cristo naquele momento derradeiro de agonia? Machucado, sangrando, com os ossos deslocados, morrendo de sede. Jesus está ali pendurado.  

Jesus diz: Está consumado. A obra de redenção esta feita o homem pode voltar para Deus e ser salvo. O preço foi pago. Aleluia!!!

Jesus conquistou a vitória! Satanás foi derrotado! O poder do pecado, da doença e da morte foi desfeito, e a humanidade foi liberta, redimida pelo sangue de Jesus.

Salvação está somente em Jesus. Foi Ele quem morreu na cruz. Foi Jesus que pagou o preço.

Aceite a Jesus todos os dias de sua vida e viva uma vida em obediência a Deus e a Sua Palavra e terás uma vida vitoriosa.

Que Deus te abençoe poderosamente em nome de Jesus!

Um abraço!

Pastor Everson

28/03/2013

 

 

 

Aliança feita com Sangue

Tema: Aliança feita com Sangue

Texto: Gn 15:1-21; Lc 22:20

Introdução: Durante o encontro aqui descrito, o Deus Eterno se identificou a Abrão como o seu Deus, pois queria que Ele soubesse quem estava fazendo essas promessas. Por isto, disse: Eu sou o SENHOR, que te tirei de Ur dos Caldeus, para dar-te a ti esta terra, para herdares. E disse Abrão: Senhor Jeová, como saberei que hei de herdá-la? v 7-8

Abrão pediu uma confirmação dessa promessa. Abrão queria algo em que ancorasse sua fé, uma coisa tangível – palpável dessa promessa a qual pudesse agarrar.

1.  RECEBEMOS AS PROMESSAS DE DEUS E O INIMIGO TENTA ROUBAR DE NÓS SUAS PROMESSAS.

Ø  Passamos por caminhos difíceis e duras provas.

Ø  Precisamos nos agarrar em algo. Este algo é a Palavra de Deus. 

2.  PARA CONFIRMAR AS SUAS PROMESSAS A ABRÃO, DEUS FIRMOU COM ELE UM PACTO SELADO COM SANGUE, A FIM DE ENFATIZAR O CARÁTER DURADOURO E SAGRADO DA ALIANÇA.

Ilustração: Nesse tipo de pacto, cada aliançado devia dispor-se a entregar a sua própria vida em defesa do outro, ou seja, até morrer no lugar do outro. O inimigo de um tornava-se inimigo do outro. Se um dos aliançados fosse conquistado pelo inimigo ou lhe declarasse guerra, o outro lutaria contra os inimigos com eles.

Suas posses tornavam-se propriedades em comum. Se um deles tivesse algo que o outro desejasse ou necessitasse, o dono da coisa desejada era obrigado a dá-la ao aliançado.

A aliança de sangue era indissolúvel. Não podia ser rompida, exceto pela morte. Consistia de uma declaração de deveres e direitos; de um voto em que dois aliançados prometiam guardar os termos de acordo. Havia uma maldição caso um deles rompesse o acordo. O selo do acordo expresso era com o sacrifício de um animal.

Na aliança de sangue entre duas famílias ou tribos, parte da cerimônia incluía um sacrifício de um animal, que era dividido ao meio, e as duas metades eram colocadas de lados opostos, criando um caminho de sangue. Os representantes de ambas as famílias percorriam duas vezes esse caminho, significando que permaneceriam juntas até mesmo diante da morte.

Logo após o sacrifício, os termos da aliança eram declarados, e os aliançados faziam um voto, prometendo cumpri-lo. Finalmente, a aliança era selada, com um corte da aliança no qual os pulsos dos representantes de ambas as famílias eram cortados e unidos, para que o sangue dos aliançados se misturasse. O CORTE NO PULSO SERVIA PARA QUE O PACTO FOSSE LEMBRADO PELA CICATRIZ.

 

Tendo selado a aliança com sangue, as famílias tomavam o nome uma da outra e iam juntas para a ceia sacrifical, que representava o novo relacionamento.

Esse foi o tipo de aliança que Deus fez com Abrão em resposta à pergunta do patriarca que desejava ter a certeza de que ia tomar posse da herança prometida.

Faça a leitura e Gn 15:9-17

3.  DEUS PASSOU PELO CAMINHO DE SANGUE CRIADO PELO SACRIFÍCIO ANIMAL.

Ø  Abrão e Deus firmaram um pacto de sangue naquele dia.

Ø  O Todo-Poderoso desceu e caminhou pelo meio dos sacrifícios, significando que Ele acabava de estabelecer uma união sagrada com Abrão.

Ø  Daquele dia em diante Abrão passou ser chamado amigo de Deus. 

4.  NESSE PACTO, TUDO QUE ERA DE DEUS PASSOU A PERTENCER A ABRÃO E TUDO O QUE ERA DE ABRÃO PASSOU A PERTENCER A DEUS.

Ø  Deus se comprometeu em ficar ao lado de Abrão.

Ø  Deus prometeu lutar as lutas de Abrão.

Ø  Deus prometeu a estabelecer uma aliança eterna com Abrão.

Conclusão: ESSE PACTO É O MESMO QUE TEMOS COM DEUS SOB A NOVA ALIANÇA SELADA PELO SANGUE DE JESUS DERRAMADO NA CRUZ.

Ø  Sob os termos da Nova Aliança, Deus se comprometeu conosco.

Ø  Deus luta contra os nossos inimigos.

Ø  Deus prometeu ficar conosco nos momentos mais difíceis.

Ø  Deus dá a nós o que pertence a Ele.

Faça uma aliança com Deus pelo precioso “Sangue de Jesus” e sua vida vai mudar.

Deus te abençoe poderosamente em nome de Jesus!

Um abraço!

Pastor Everson

14/03/2013

 

 

 

As Obras da Carne e os Frutos do Espírito

Gálatas 5:16-26

Digo, porém: Andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne. Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes opõem-se um ao outro, para que não façais o que quereis. Mas, se sois guiados pelo Espírito, não estais debaixo da lei. Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia, Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro como já antes vos disse que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus. Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança. Contra estas coisas não há lei. E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências. Se vivemos em Espírito, andemos também em Espírito. Não sejamos cobiçosos de vanglórias, irritando-nos uns aos outros, invejando-nos uns aos outros.

1 Coríntios 6:9-20

Não sabeis que os injustos não hão de herdar o reino de Deus? Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbados, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus. Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma. Os alimentos são para o estômago e o estômago para os alimentos; Deus, porém, aniquilará tanto um como os outros. Mas o corpo não é para a prostituição, senão para o SENHOR, e o SENHOR para o corpo. Ora, Deus, que também ressuscitou o Senhor, nos ressuscitará a nós pelo seu poder. Não sabeis vós que os vossos corpos são membros de Cristo? Tomarei, pois, os membros de Cristo, e fá-los-ei membros de uma meretriz? Não, por certo. Ou não sabeis que o que se ajunta com a meretriz, faz-se um corpo com ela? Porque serão, disse, dois numa só carne. Mas o que se ajunta com o Senhor é um mesmo espírito. Fugi da prostituição. Todo o pecado

 

que o homem comete é fora do corpo; mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo. Ou não sabeis que o vosso corpo é o templo do Espírito Santo, que habita em vós, proveniente de Deus, e que não sois de vós mesmos? Porque fostes comprados por bom preço; glorificai, pois, a Deus no vosso corpo, e no vosso espírito, os quais pertencem a Deus.

Apocalipse 21:8

Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicadores, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte.

Apocalipse 22:15

Ficarão de fora os cães e os feiticeiros, e os que se prostituem, e os homicidas, e os idólatras, e qualquer que ama e comete a mentira.

Eclesiastes 12:13-14

De tudo o que se tem ouvido, o fim é: Teme a Deus, e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo o homem. Porque Deus há de trazer a juízo toda a obra, e até tudo o que está encoberto, quer seja bom, quer seja mau.

Fonte Extraída Bíblia Sagrada

Deus te abençoe!

Um abraço!

Pastor Everson

07/02/2013